© 2019 Onmental Espaço Terapêutico. Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Bey Agência na plataforma WIX.com
Please reload

Posts Recentes

Life Coaching: transformando vidas!

May 30, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Ciúme Patológico: um sofrimento vivido a dois

 

Em questões de ciúme, a linha divisória entre imaginação, fantasia, crença e certeza, frequentemente se torna vaga e imprecisa. No ciúme as dúvidas podem se transformar em ideias supervalorizadas ou francamente delirantes. Depois das ideias de ciúme, a pessoa é compelida à verificação compulsória de suas dúvidas. O(a) ciumento(a) verifica se a pessoa está onde e com quem disse que estaria, abre correspondências, ouve telefonemas, examina bolsos, bolsas, carteiras, recibos, roupas íntimas, segue o companheiro(a), contrata detetives particulares, etc. Toda essa tentativa de aliviar sentimentos, além de reconhecidamente ridícula até pelo próprio ciumento, não ameniza o mal estar da dúvida.


Os ciumentos estão em constante busca de evidências e confissões que confirmem suas suspeitas, mas ainda que confirmadas pelo(a) companheiro(a), essas constatações permanentes parecem trazer mais dúvidas ainda, ao invés de tranquilidade. Para o ciumento, a confissão do companheiro(a) nunca é suficientemente detalhada ou fidedigna e tudo volta à torturante inquisição anterior.


O que aparece no Ciúme Patológico é um grande desejo de controle total sobre os sentimentos e comportamentos do companheiro(a). Há ainda preocupações excessivas sobre relacionamentos anteriores, as quais podem ocorrer como pensamentos repetitivos, imagens mentais desagradáveis e revivências repetidas sobre fatos passados e seus detalhes, levando a emoções desagradáveis como a ansiedade, tristeza, raiva, vergonha, insegurança, humilhação, perplexidade, culpa, aumento do desejo sexual e desejo de vingança, podendo haver atitudes violentas. 

Em psiquiatria o Ciúme Patológico envolve riscos e sofrimento, aparecendo como sintoma de diversos quadros como transtorno obsessivo compulsivo (TOC), transtornos de personalidade, transtornos delirantes, etilismo entre outros. O tratamento pode ser feito por meios farmacológicos e acompanhamento psicoterápico,apresentando melhores resultados quando iniciados precocemente.


 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter